domingo, 22 de julho de 2012

AS PRAIAS DE SÃO LUÍS


É mês de julho, é férias, é domingo, alvorece na "Jamaica Brasileira", "Ilha do Amor", "Atenas Brasileira", "Cidade dos Azulejos", "Capital Brasileira do Reggae" e o céu está límpido, os primeiros raios de sol começam a espraiar-se e a brilhar intensamente, a brisa que sopra do litoral é um convite para curtir as belas praias de São Luís do Maranhão.
Desperto euforicamente a família, convidando alegremente: Vamos a La playa!
Ainda preguiçosamente, plenamente descansado, após uma agradável e revigorante noite de sono, minha musa contesta suavemente: mas qual praia?
E imediatamente já com os sentidos em ordem (totalmente despertos) relembro que todas as praias da nossa bela Ilha, estão insalubres, logo me levando a um misto de tristeza, perturbação, revolta e indignação, pois já se tornaram comuns às notícias veiculadas pelos matutinos e matérias televisivas sobre tão triste assunto.
Quantas manchetes já ocuparam destaques na imprensa local e nacional, nas redes sociais e que se alastram pelo mundo afora, afastando turistas e entristecendo a todos nós maranhenses.
No caderno especial do Jornal Pequeno do último dia 08 destacou MAR DE COLIFORMES – PRAIAS IMPRÓPRIAS PARA BANHO ‘POLUEM’ IMAGEM DE SÃO LUÍS, onde fica claro que as providências por parte dos órgãos (MPE, SEMA, CAEMA, PMSL, IBAMA, CBMMA e outros não citados na reportagem), responsáveis, diretamente ou indiretamente, isoladamente ou em conjunto, caminham de forma muito lenta em busca de uma solução.
Visitando a Wikipédia  (a enciclopédia livre) na internet: http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Lu%C3%ADs_(Maranh%C3%A3o) vemos com  profunda  tristeza que entre outras informações, quando trata-se das praias, observa-se: “Com exceção de alguns trechos da praia do Araçagi, nenhuma outra - Ponta d’Areia, Calhau, São Marcos e Olho d’Água - está em condições para banho. Principal causa: lançamento de esgotos não tratados. Em junho de 2009 as praias que estavam impróprias para o banho foram marcadas com placas de alerta, avisando os banhistas sobre a condição da qualidade da água em cada trecho”.
Informação desatualizada, pois até “alguns trechos” da praia do Araçagy já não estão mais adequados ao banho.
Talvez a minha maior decepção refere-se a não poder levar o pequeno Furtado Filho a desfrutar dessas belezas naturais e tampouco seguir uma recomendação médica para ele, no sentido de visitar com certa frequência as praias, a fim de criar anticorpos para as suas infantis fragilidades orgânicas.
Por outro lado, as tantas alegrias vivenciadas na infância e adolescência já não podem mais ser compartilhadas, pois não é somente a água contaminada resultante dos dejetos lançados in natura com forte presença da bactéria escherichia coli, existente nos coliformes fecais e causadoras das mortais doenças cólera, hepatite, leptospirose e outras consequências menos letais como as dermatites, coceiras, diarreias e vômitos.
Quando são encontradas mais de 2.000 bactérias escherichia coli por 100 ml de água coletada em apenas 08 pontos e poderiam ser consideradas própria para o banho à presença de algo em torno de 800 bactérias, verificamos a gravidade da situação não somente no que tange a água, mas também à areia que permanentemente são banhadas no vai e vem das marés.
Portanto, como cidadão de direitos, tendo os meus deveres impostos e cumpridos a risca, não me interessa culpabilizar ninguém e nenhum órgão que deixou a situação chegar a esse extremo, mais me resta exigir que ações imediatas, eficientes, eficazes e efetivas solucionem o problema e me devolvam o direito de poder curtir às minhas praias.

São Luís-MA, 22 de julho de 2012.

Carlos Augusto Furtado Moreira
Especialista em Gestão Estratégica e Defesa Social
Pós-graduado em Aperfeiçoamento de Oficiais e Superior de Polícia
Bacharel em Direito e Formação de Oficiais
Licenciado em História
(98) 8826 4528 – 8138 2760

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caros amigos

Poder expressar-se é a oportunidade de compartilhar conhecimentos adquiridos ao longo de nossa existência, portanto, sejam benvindos as minhas considerações profissionais.