quarta-feira, 24 de outubro de 2012

O SAMPAIO CORRÊA FUTEBOL CLUBE ELEVA O MARANHÃO NO CENÁRIO ESPORTIVO NACIONAL

Desde criança foram constantes as minhas idas e vindas à casa do meu padrinho e madrinha – Sr. Nhosinho Beckman e Sra. Nila Alves Reis, ambos in memorian, em algumas oportunidades em feriados longos, mas, principalmente nas férias escolares. Ele era proprietário de um salão de corte de cabelos masculinos (barbearia) no antigo caminho da boiada em São Luís-MA, onde quando ali me encontrava, gostava de ouvir as discussões sobre futebol, assunto preferido entre clientes e profissionais.


Meu padrinho era atleticano, torcia pelo Maranhão Atlético Clube (MAC), o Bode Gregório, assim como Raimundo e Alexandre (barbeiros), entretanto Wilson (sobrinho do meu padrinho, também barbeiro) era motense e torcia pelo Moto Clube de São Luís, o Rubro Negro da Fabril, alcunha recebida em alusão às cores do clube e ao local da sede do clube e do estádio Santa Isabel (nome da fábrica do Sr. César Aboud), que ficavam no Canto da Fabril, já o Papão do Norte surgiu em 1948, quando o Moto Club realizou uma excursão à região Norte e venceu o Payssandu e Fortaleza, ganhando assim o título. Há uma segunda versão que faz referência a 1946, quando o Moto cedeu basicamente toda a base da seleção maranhense que chegou à semifinal do Campeonato Brasileiro de Seleções. Por causa desse fato, os jornais já se referiam ao clube pelo aplido de Papão (http://pt.wikipedia.org/wiki/Moto_Club_de_S%C3%A3o_Lu%C3%ADs).

Aos domingos quando o Moto Clube jogava, o programa preferido de Wilson era ir ao estádio municipal Nhozinho Santos e geralmente meu padrinho determinava que ele me levasse junto, assim, o que foi despertando o meu interesse em torcer pelo Papão do Norte.

Em casa meu pai era boliviano, torcia pelo Sampaio Corrêa Futebol Clube, assim criou-se uma rivalidade, aliás, essa é a maior rivalidade do futebol maranhense, as duas maiores torcidas, os dois maiores detentores de títulos e os dois únicos clubes maranhenses que já conquistaram títulos nacionais. Lamentavelmente na atualidade o Moto Clube não tem conseguido bons resultados.

Em contrapartida, o Sampaio Corrêa Futebol Clube – a Bolívia querida – o tricolor de aço – o tricolor de São Pantaleão - tem se sobressaído e acaba de conquistar mais um grande feito para o futebol maranhense – campeão invicto do brasileirão da série D, alcançando onze vitórias e cinco empates, e ainda, a terceira maior média de público de todo o futebol brasileiro de 2012, levando uma média de 19.854 torcedores aos jogos. Durante toda da competição, o clube maranhense mandou as partidas no Nhozinho Santos, com capacidade para apenas 16.500 pessoas. A situação só mudou na fase de mata-mata, quando o time tricolor levou o mando de campo para o Castelão, desde então, 40 mil pessoas comparecem aos duelos travados pelo Sampaio Corrêa.

O Sampaio Corrêa foi o último clube a atingir um título de forma invicta em todo o futebol brasileiro, em 1997, o clube maranhense não foi vencido por nenhum time na campanha que terminou com o título da Série C (segundo Patrick Mesquita, da redação, para o ESPN.com.br, em 21/10/2012). A campanha foi à seguinte: 18 (dezoito) jogos realizados, 12 (doze) vitórias, 06 (seis) empates, zero derrotas, 33 (trinta e três) gols marcados e 11 (onze) gols sofridos.

Já em 1972 a Bolívia tornou-se campeão do brasileirinho - a série B; naquela oportunidade, o campeonato reuniu 23 times do Nordeste, divididos em quatro grupos, sendo a campanha sampaína a seguinte: 17 (dezessete) jogos, 08 (oito) vitórias, 04 (quatro) empates, 05 (cinco) derrotas, 19 (dezenove) gols a favor e 08 (oito) gols contra, sendo que a Bolívia ficou com o titulo daquele ano, uma façanha que enche de orgulho toda a torcida tricolor.

Assim com todos os méritos são devidos ao Sampaio Corrêa Futebol Clube que se soma ao seleto grupo de equipes do futebol brasileiro, a ostentar em seu uniforme 03 (três) estrelas de campeão nacional, o que orgulha a todos os maranhenses por estes grandes feitos. Parabéns aos bolivianos, parabéns ao Estado do Maranhão.

Natal – RN, 24 de outubro de 2012.

Carlos Augusto Furtado Moreira

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caros amigos

Poder expressar-se é a oportunidade de compartilhar conhecimentos adquiridos ao longo de nossa existência, portanto, sejam benvindos as minhas considerações profissionais.